sexta-feira, fevereiro 23, 2007

O carteiro de... Walter Butler

http://www.news.com.au/story/0,23599,21245186-13762,00.html

Uma história digna de romance ou filme.
A história pode continuar com o selo a valer muito dinheiro... :-)

quinta-feira, fevereiro 22, 2007

Warner

".....simultaneamente cénica e serial, pois constituída por pequenas estruturas cénicas que se articulam dum modo serial. O serialismo....."A corny concert, 1943

Bate aos pontos o discurso de Elmer Fudd:Elmer Fudd

"reparem no suave soprar dos instrumentos de sopro que sopram e sopram até acabar o sopro."



Mar violento

Acerca da "psicologia" do Cabo Bojador (na RTP estavam uns sapatos coloridos a dizer que o problema da passagem do dito cujo "era psicológico" (sic):

A primeira googlada dá logo a verdade:
"The disappearance of numerous european vessels that made prior attempts, despite its violent seas, to round the Cape led some to suggest the presence of sea monsters."

As palavras-chave são "violent sea", um bom nome para uma banda rock.O Cabo Bojador

"Above all, the seas themselves were unpredictable and dangerous."

A National Geographic, que sempre saberá alguma coisa mais que a pernóstica personagem televisiva, diz:

"For centuries Cape Bojador has been known as one of the navigable world's most treacherous places. The British Royal Navy's Africa Pilot, warns that the charting of this coast is "reported to be inaccurate" to this day. The cape lies at the base of a narrow strait, where the Canary Islands form a funnel that squeezes the south-flowing current hard against the Moroccan coast in a frenzy of wind, whitecaps, and fatal shoals. There the Sahara abuts the sea in a mutable front of dun-colored cliffs and shifting walls of sand. The cape's rocky beaches collect ships the way a spider's web traps flies."

"To journeyers of Eannes's time, Bojador represented an unbreachable barrier, a point of no return, and it was the achievement of this reluctant hero to pass that invisible boundary in 1434"

"point of no return" mas por causa das correntes, não de mitos. A história dizia que era impossível pois todos já tinham tentado e ninguém conseguido mas se acreditassem nisso, e não em 'apenas' dificuldade técnica, não se metiam a tentar. Henrique tentou porque tinha uma vantagem técnica em relação a todos os anteriores e acreditava que com isso e com método, seria possível.

Os outros medos (medos de indolente gente culta, com certeza não de Henrique, um homem metódico e cujo lema era "Talent de bien faire","Desejo de bem fazer") dos mitos da Terra Incognita só serviriam de incentivo: "A curiosidade é a mais forte de todas as paixões" (Goethe). Mas são tudo tretas, inflamações decorativas.

"É a curiosidade que leva o italiano Luís de Cadamosto a participar na empresa marítima portuguesa."

---------
"Often called by its Portuguese name, Cape Bojador, this promontory jutting into the Atlantic had defeated all of Africa’s and Europe’s greatest sailors for nearly two thousand years. Phoenicians and Greeks from pre-Christian eras had tried, and after they had wrecked, Arabs and North Africans likewise came to grief at the Bulging Cape. Long distance northern European sailors such as the Vikings also failed during the early middle ages, as did the Renaissance Venetian, Genoese, and Catalan vessels accustomed to Mediterranean seas."

Os monstros:"But there he had also met with failure because these island volcanoes rise suddenly from the ocean floor, blocking the smooth flow of southward air and wind. Like any giant object impeding the smooth flow of wind, the waters and air behind the Canaries are very turbulent. Giant curls of wind and water swirl in circles southwest of the islands, trapping vessels in an endless merry-go-round."

quarta-feira, fevereiro 21, 2007

Torresmos (Pratinho de Couratos)

Do blogue que mais gosto de ler (e onde sempre aprendo palavras que nunca soube, tinha esquecido ou para as quais nunca achei, estupidamente, utilidade, e.g., refocilar; florejarem)

"butiráceas campanhas publicitárias" - como em "usar manteiga para ir mais facilmente ao cu de alguém".

terça-feira, fevereiro 20, 2007

Novo símbolo

o novoo velho

Saco do Pingo Doce

Uma grande instituição nacional chegou ao fim: fui ao Pingo Doce e a menina perguntou-me: "-Vai desejar saco?".

Cc Bcc

Definition: A Bcc (blind carbon copy) is a copy of an email message sent to a recipient whose email address does not appear in the message.
This is in contrast to To and Cc (carbon copy) recipients, whose addresses do appear in the respective header lines. Every recipient of the message can see all the To and Cc recipients, but does not know about Bcc recipients.

Also Known As: Blind carbon copy

Dicionário de rimas

Não é necessário aturar brasileiros:
Dicionário de rimas, like
(O link está há muito tempo na minha lista da esquerda mas só hoje me ocorreu esta funcionalidade porque alguém queria encontrar palavras que rimam com "iso")

segunda-feira, fevereiro 19, 2007

Há vida inteligente no Brasil

O desembargador da 4ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, Ênio Santarelli Zuliani, mandou desbloquear o YouTube.....
muuuu
Ler mais aqui, por exemplo, que também está bem visto.
Ver o casal de Pan paniscus sem vergonha (sem-abrigo?) aqui. Se quiserem.

PS: Cicarelli; Zuliani... Será que o Brasil é a prova que afinal as 'sinergias' não passam de um mito? Uma terra daquelas, com aquele tamanho e com tudo quanto é gente à mistura tinha de ser melhor, não?

Condensado

Resignarmo-nos à morte: eis o grande drama da humanidade.

domingo, fevereiro 18, 2007

Ai sim?

Ao contrário do que por vezes se pensa do lado de fora dos jornais, [Porque será?] os contributos dos leitores são sempre lidos, considerados, discutidos e possuem um grande peso nas nossas decisões e procedimentos. Mesmo (ou principalmente) quando são críticos da nossa actuação.:-)

in:
José Vítor Malheiros
Director do PUBLICO.PT

Nice game

Done!

quarta-feira, fevereiro 14, 2007

Falha eliti-aldra-ética-ideológica

Na página 8 do público de hoje lê-se: "A Câmara do Porto abriu ontem no seu site na Internet uma 'consulta' em que pergunta aos visitantes se concordam com a alegada 'política de oposição do JN (Jornal de Notícias) à autarquia..... O presidente da autarquia, Rui Rio, contactado pela Lusa, não quis explicar....."
O "não comento" que me exaspera.

Mas o bonito é que ao visitar o site deparei com isto: é melhor não


O site errou

Por penosa falha técnico-informática esteve ontem visível no novo espaço Consulta deste site, durante mais de meia hora, a desagradável pergunta “Concorda com a política de oposição do JN à Câmara do Porto, se realizada por opção do director, desde os primeiros dias do mandato e sujeita a desmentidos legalmente consagrados?”




Tratava-se apenas de uma questão-teste que, durante os necessários ensaios técnicos que antecedem a troca de tema no espaço em causa, por lapso, ficou indevidamente visível no écran, em lugar da pergunta: “Considera que o JN é isento e rigoroso no tratamento que dá à informação sobre a Câmara do Porto?”

Do facto pedimos desculpa aos nossos visitantes e, em particular, ao Senhor Director do JN, José de Leite Pereira.


2007/02/14


Mentir é muito feio e fica mal sobretudo quando não é necessário e se deixa transparecer. "Ontem..... inadvertidamente ..... pedimos desculpa" chegava bem.

Claro que dei com esta anedota porque logo me dispus a responder à questão. "Não só concordo como recomendo" tencionava eu responder.

Sampaio

Yosemite SamNo Público de hoje, pág. 3, "Relatório alertava para perigos na linha".
Não me irrita nada que ninguém tenha ligado ao relatório. Nem fico irritado quando se diz: "O Público contactou a Refer mas não obteve resposta." Nem irritado fico por terem posto uma vírgula, que eu tirei, antes do "mas". Fico furioso é pela mansidão com que aceitam isso. Se a Refer manda foder o Público numa situação destas, o mínimo dos mínimos era o Público enervar-se um bocadinho com a Refer.
Aquela mansidão enervante do director do Público, não me digam que se pega?

Primeira palavra do bebé

É com alegria que vejo finalmente o blogue público Popular dizer as suas primeiras palavras.

A publicação pode ser feita facilmente por email. O título do post será o Assunto da mensagem.

O endereço é blogue.popular.publicar2@blogger.com

As Farpas (Jun - Jul 1882)

"Enquanto a gente vai em cada manhã tratar da sua vida, esses indivíduos vão duvidar na solidão, nas trevas de um quarto escuro em seus domicílios, chupados e amarelos como cidras, com os olhos esbugalhados para a banda do Bugio.
É até onde a ociosidade pode levar meia dúzia de vadios sem mais que fazer! Tivessem eles em que cuidar e não haveria perigo que a eterna essência, o increado, o absoluto e todas as mais queixas de cabeça que os afligem continuassem a remoê-los.
Ofício para as costas, uma enxó e um formão para as mãos, com a obrigação de ganhar oito tostões por dia para sustentar mulher e filhos, e verão os filósofos como a cruel dúvida se lhes desencasqueta que é um gosto, e lhes sai pela cabeça fora para a roupa suja com a primeira camisa que suarem a puxar pelo corpo para ganhar a vida, assim como até aqui têem puxado pelo juízo para darem cabo dela."

Touché.

terça-feira, fevereiro 13, 2007

Caso Esmeralda

justiça tendenciosaPrimeiro ler isto:
http://fyad.org/kt15



Não vejo isenção. Penso que este acórdão está escrito num tom tendencioso.
Para dizerem que um pai tem direito aos seus filhos e que a justiça não pode admitir rebeldias não era necessária tanta exaltação. Até a Defesa deve ter ficado um pouco embaraçada (se isso fosse possível para um advogado que ganha!).

Até se esqueceram de tratar da alínea e) da classificação do professor Antunes Varela. Mas houve cuidado em refazer as contas dos juros - o golpe final teatralmente simbólico.


A primeira vez que lhe mandaram entregar a menina ela 'só' estava com eles há 5 meses e tinha 1 ano. Não chocava ninguém a mudança. Mas 5 meses emocionais não são 5 meses de calendário. O casal viu-se incapaz de suportar a perda. Ao desobedecer, o sargento fez passar 4 anos. E agora a mudança é chocante ponto final e o desespero do pai biológico deve ser tremendo. (Ele imagina o que seria se... e isso ainda é pior.)
Foi ter conseguido gerar um ciclo que lhe é cada vez mais favorável a cada dia que passa que irritou os juizes. Mais do que a tentativa demagógica de disfarçar o natural e compreensível egoísmo com o politicamente correcto "superior interesse da criança". Muito mais do que a irredutível posição.

Estou tão curioso como qualquer outro em saber como se resolverá este caso e tão feliz como qualquer outro em saber que não sou eu que o tenho de solucionar. Mas se uma crítica a este acórdão vier a fazer parte desse, certamente desagradável, final então aceitá-lo-ei melhor. (Não pelas conclusões em si mas sim pelo tom, pela parcialidade, pela perda de compostura e profissionalismo).
E pelo português liceal em que é escrito.

Além de que, parece-me, os juizes deviam ter em consideração que num tribunal de júri o veredicto demorava 5 minutos.

A justiça não é aquela boneca ali de cima. A justiça, olhem bem para ela, é uma senhora.A Justiça

O que é pior para mim? Tirarem-me um filho ou negarem-me o sonho de outro? (Eu penso nos filhos que nunca terei)
Consigo responder. Tirarem-me um filho é pior.
A falta do que nunca se teve tem de ser menor do que a falta realmente sentida.
Parece uma boa solução mas não me conforma: é inaceitável tirar um filho ao pai.
(Ao contrário do que escorria das reportagens, o pai biológico parece sempre ter tido uma atitude normal ('normal' quer dizer 'igual à que eu teria'). Como é evidente precisou foi de ter a certeza de que era ele o pai).

Não gosto nem um bocadinho do Direito português mas 'eles' passam a vida a dizer que é dos melhores do mundo. Quero ver.

sábado, fevereiro 10, 2007

Prioridades

A brigada de seis agentes passou duas horas e meia no estabelecimento.....
http://dn.sapo.pt/2007/02/10/cidades/pj_visita_loja_drogas_legais_e_dono_.html

Fico muito contente por ver que há tão pouco que fazer na judiciária ao contrário do que é costume ouvir quando não fazem nada do que deviam: a desculpa é sempre "não temos mãos a medir". Eles não têm é nada que fazer (a não ser perseguir medievalmente os fracos).


Tenho a certeza que, apesar de tudo indicar o contrário, nunca tivemos tão pouca liberdade em Portugal desde o 25 de Abril.
Chamo a esta liberdade que supostamente temos, "liberdade placeba". Estamos convencidos que a temos e isso é como se a tivessemos. E, no entanto, andamos todos de cu ao léu.

Relembro: Em Portugal, só mediante mandado de um juiz é possível às autoridades policiais entrarem na casa de uma pessoa contra a sua vontade. Mesmo assim, só pode ser efectuada uma busca domiciliária entre as sete da manhã e as nove da noite.

Acho que vou mudar o meu horário de jantar para as nove: gosto de comer descansado!

Um dentre muitos

Disseram ao Benfica que era rico e pluribus unum...
Ainda bem que lhes deram a novidade pois tudo indica que eles não sabiam.

sexta-feira, fevereiro 09, 2007

Composto morfo-sintáctico coordenado

O secretário de Estado Adjunto da Educação, Jorge Pedreira, anunciou que a experiência pedagógica associada à nova Terminologia Linguística para o Ensino Básico e Secundário (TLEBS) será suspensa no próximo ano lectivo. http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1283659

Vêem como não foi preciso eu assinar a petição?
(Ver post anterior “nomes uniformes de género epíceno")

Parabéns às associações de pais.
Vaias para os professores de português.

Também é necessário vaiar quem escolheu os autores da TLEBS. Quem presta bons serviços ao estado recebe comendas e condecorações. E quem é reponsável por esbanjar recursos?

terça-feira, fevereiro 06, 2007

H2O

Zapatero quer nacionalizar a água. Há nisso alguma ciência: pelo que dizem não hão-de passar 50 anos sem que nos andemos a matar por água.
Ó ó.
Em Portugal fazem-se 'estudos' e já está.
Em Espanha fazem, sem estudos. É melhor e sai mais barato.

-------------------------------------------------------------
Água do Fastio - Email: afastio@eaa.pt URL: www.eaa.pt
Águas das Caldas de Penacova, Ldª - Email: penacova@caldasdepenacova.pt
Águas de Carvalhelhos, SA - Email: geral@carvalhelhos.pt URL: www.carvalhelhos.pt
Águas de S. Silvestre, SA - Email: geral@aguasaosilvestre.pt
BEIRA VICENTE - Exploração e Comercialização de Águas de Mesa, Ldª - Email: fontedafraga@beiravicente.pt
Compal - Companhia Produtora de Conservas Alimentares, SA - Email: frize@compal.pt URL: www.frize.pt
Da Nascente - Empresa de Águas de Mesa de Manteigas, SA - Email: info@glaciar.pt URL: www.glaciar.pt
Empresa Central Serrana de Águas, SA - Email: agua.serrana@mail.telepac.pt URL: www.mweb.pt/serrana
Empresa das Águas do Alardo, Ldª - Email: alardo@clix.pt
Empresa das Águas do Vimeiro, SA - Email: fabrica2@sapo.pt URL: www.eav.pt
ETANOR/PENHA - Produção Alimentar e Cons. Técnica, SA - Email: etanor@etanorpenha.com.pt
Jet Cooler - Águas e Cafés, SA - Email: fonteviva@fonteviva.com.pt URL: www.fonteviva.com.pt
MEYRELLES & Cª, SA - Email: cri@unicer.pt URL: www.unicer.pt
Nestlé Waters Direct Portugal - Comércio e Distribuição de Produtos Alimentares, SA - Email: luisa.assuncao@selda.pt URL: www.selda.pt
Nestlé Waters Portugal, SA URL: www.nestle.pt
OUTEIRINHO - Turismo e Industria, Lda - Email: geral@aguasmartinho.com URL: www.aguasmartinho.com
PROMINERAL - Produção de Águas Minerais, SA - Email: brg@renova.pt URL: www.magnificat-azores.com
SASEL - Sociedade de Águas da Serra da Estrela, SA - Email: sasel@gruposumol.pt URL: www.aguaserradaestrela.pt
SAV - Sociedade de Águas de Valadares, Ldª - Centrar, SA - Email: centrar@rar.pt URL: www.rar.pt
Sociedade da Água de Luso, SA - Email: sal@agualuso.pt URL: www.agualuso.pt
Sociedade da Água de Monchique, SA - Email: geral@aguamonchique.pt URL: www.aguamonchique.pt
Unicer Águas, SA Email: cri@unicer.pt URL: www.unicer.pt
VMPS - Águas e Turismo, SA - Email: cri@unicer.pt URL: www.unicer.pt

domingo, fevereiro 04, 2007

Homófonas

Acabei de ver a seguinte tradução num filme que está a passar na SIC neste preciso momento:
"Ela quer um garanhão? Arranjem-lhe um. Quer umas mamas maiores? Arranjem-lhe duas."
duas, como é costume

Duas! Indeed.

A idiotice vem de confundir too de "arranjem-lhas também" com two de "2".