Saturday, October 20, 2007

A rápida raposa castanha salta em cima do cão lento. 1234567890.

Só uma coisa rivaliza com a desmedida prepotência dos brasileiros: a sua ignorância. Mas há outra coisa que parece querer conquistar esse lugar: a sua estupidez.

A frase acima é a ideia que os brasileiros (adoro esta generalização abusiva, quase tanto como a sua variação de género - brasileiras!) têm do pangrama usado para mostrar como ficam as letras, todas as letras, em determinado tipo.
(É claro que nem sequer está bem traduzido: não é em cima mas sim por cima. )

Continuo à procura de uma maneira de me livrar categoricamente do domínio .br.
Já ficava contente com um script que me incluisse -.br... nas buscas do google. E ficarei radiante quando conseguir impedir que me apresentem contéudo em brasileiro (os sites com várias versões detectam que estou em portugal - apesar de ter as minhas definições regionais para inglês (EU) - e escarrapacham-se-me em brasileiro, como se tal linguajar fosse apropriado aos meus neurónios quando, na verdade, me é insuportável.)

PS: Por falar em definições regionais: Não se esqueçam de alterar o separador decimal para vírgula; o agrupamento de números para (espaço) e a moeda para €.

Sunday, October 14, 2007

Matusalém

Cultura pop: os países mais velhos do mundo

San Marino (301 AD)

France (486 AD)

Bulgaria (632 AD)

Denmark (950 AD)

Portugal (1143 AD)

Andorra (1278 AD)

Switzerland (1291 AD)

Monday, October 8, 2007

Obra feita

Menezes, o presidente da Câmara de Gaia, ainda não tinha tomado posse do cargo de presidente do PSD e já tinha feito mais pelo partido e pela política nacional do que muitos dos anteriores: livrou-nos do diminuto Marques Mendes, das suas pequenas intervenções e da sua enorme inabilidade. Não é coisa de desprezar.
Em democracia (?) qualquer oposição é melhor que nenhuma porque em democracia é necessário que exista oposição. E até as barreiras dos 400 m custam mais a transpôr que Marques Mendes.


A plebe está é desorientada por o não ver na Assembleia. :-)

(E, de facto, não custa nada criar uma lei que disponibilize assento parlamentar aos presidentes dos partidos com representação na Assembleia, sob aprovação do presidente da República. Já agora, estes com um estatuto diferente: em representação do partido e não do povo. Para desenjoar.)

PS: Aquela deputada que se recusa a ir embora (onde arranja outro emprego igual, não é?) jurou continuar a defender a terra dos que votaram nela...
Todos os deputados parecem recusar naturalmente a ideia que defendem o país, não uma região. Tem mesmo de se alterar isso. (Não é que seja boa coisa mas estas patacuadas ainda são piores.)

Lar, ilusivo lar

Diz que há casas a mais.
Não é verdade. Há apartamentos, que mal servem para solteirões inveterados, a mais. T1, T2, T3, uma miséria. Onde se passa a ferro num T3?
Casas, o local onde uma família habita, há muito pouquinhas.

Diz que o que há mais são casas para vender por falta de pagamento das prestações ao banco.
E isto ainda só é o começo (e nem tem grande mal). O pior vai ser quando as pessoas que têm empréstimos do género T30 chegarem à altura de pagar. A menos que todos tenham herdado de velhas ricas inteiramente desconhecidas, tenham sido promovidos a píncaros inauditos lá no empregoide, como lhes dizia o horóscopo da altura em que se meteram em tamanho disparate, ou lhes tenha saído o euromilhões tal como N. S. de Fátima lhes garante pessoalmente ao ouvido, de noite, pairando radiosa sobre a mesinha de cabeçeira, vamos ter outra (mais uma) 'pequena' tragédia social.
Ainda faltam uns anos mas é fatal como o destino.

Bem, estou a ser pessimista. Há muitas outras situações que, a acontecerem, resolvem o problema.
Muitas.
Por exemplo: podem descobrir petróleo na varanda ou ouro no quintal. Et cætera.

Friday, October 5, 2007

O nome das coisas

Esteve agora mesmo a dar na TVI uma notícia sobre o IP5. As pessoas que lá morreram, morreram por causa do traçado, vê-se agora porque já não morrem.
O traçado, alguém o fez, alguem o aprovou, alguem o decidiu.
Esses são culpados.
Há que os nomear, ao menos.
Malditos sejam.

Thursday, October 4, 2007

Oclocracia

Não sei se já espreitaram o site do Borat (já não existe!?). Não sei se já espreitaram o site do dr. Rocha que o bate aos pontos.
Mas deixemo-nos de brincadeiras de crianças e passemos aos profissionais:
http://www.min-economia.pt/

Quanto mais

É só para dizer que, sem surpresa, o INFARMERD não sabe escrever kg.

".....Crianças entre os 6 meses e os 3 anos: 0,25 ml de ZADITEN 0,2 mg/ ml, xarope
(0,05 mg), por Kg de peso corporal duas vezes......"
(>>Aqui )

O símbolo do quilograma, a unidade de massa do SI, é kg e não Kg.

Wednesday, October 3, 2007

Precisamente

John Harrison (n. 24 de Março de 1683) inventou o relógio preciso.
Morreu em 1776.
Precisamente em 24 de Março.