Saturday, January 22, 2011

Espírito crítico

Folheio casualmente o Gabriela de Jorge Amado. Leio logo um desagrado: as negrinhas compravam por metade do preço, pelo duplo do valor.

Como se quisesse dizer que o valor era duplo. Assim estava bem.
"Por duas vezes o valor" diz-se "dobro", não "duplo"

"A pior coisa do mundo é um homem não saber como agir". Au contraire. São os homens cuja ignorância os convence que sabem alguma coisa, o grande embaraço deste mundo. Estaline, Hitler, Mao, Bin Laden.
Se pensarem bem veem que mesmo os que sabiam o que queriam - e isso é que é - não sabiam como agir: Martin Luther King (foi o dia dele, há pouco); Ghandi, Churchill, etc.

A pior coisa do mundo é um homem não saber o que quer.



ThinkExist Dynamic daily quotation

3 comments:

  1. Posso discordar?
    A pior coisa do mundo é o homem valorizar-se pelo poder que tem e julgar que esse poder significa domínio, ignorando que ele é apenas o representante desse poder, um poder que pertence a um povo inteiro. Julgo que o problema de Estaline, Hitler e por aí fora foi esse. Os outros, os pensadores, apenas revelaram as opções. Não escolheram por ninguém, nem se impuseram a ninguém. No entanto, sabiam bem o que queriam.

    ReplyDelete
  2. E estamos em desacordo exactamente em quê?

    S/a/l?

    Relembro que Hitler et all conquistaram o poder legalmente. Foram e mantiveram-se coerentes. Os outros é que foram atrás. Quer dizer: esse argumento do poder funciona com Neros - cujo poder lhes caía nas mãos - mas não com estes.

    ReplyDelete
  3. Então, discordei da sua conclusão: a pior coisa do mundo é um homem não saber o que quer.
    O meu argumento funciona ainda (até porque não é argumento, é opinião), porque falo apenas da ideia do poder de uns, que nada tem a ver com a forma como o alcançaram. Podia dar a minha opinião sobre esse passo, o da escolha do povinho, mas não o/a/os/as chateio mais sobre o assunto.
    Compreendo o post e gostei de o ler. Nem costumo discordar nos blogs que comento. Eu porto-me tão bem!

    ReplyDelete

Exprima-se livremente!