quarta-feira, janeiro 13, 2016

Portugal, país de anormais

As versões anormais, idiotas, que se encontram por aí desta simples letra de fado, impelem-me a publicar   a que será provavelmente a única versão correta que alguma vez encontrará na 'Internet portuguesa'.

"Destino Marcado" (Farinha/Fado menor)
Aqui na versão do Fernando Farinha. Tal e qual ele a canta.


O fado tem não sei quê
Que prende a vida da gente
Um nada que se não vê
Um tudo que a gente sente
Um nada que se não vê
Um tudo que a gente sente

Eu dei-lhe a vida a valer
nada mais podia dar
Agora para viver
Vivo sim, mas a cantar
Agora para viver
Vivo sim, mas a cantar

Tinha o destino marcado
Pois logo de pequenino
Fiz do destino dum fado
O fado do meu destino
Fiz do destino dum fado
O fado do meu destino

Se a tristeza ao fado assiste
E o fado assim extasia
Prefiro ser sempre triste
Para não morrer de alegria
Prefiro ser sempre triste
Para não morrer de alegria

A minha vida renasce
Neste meu canto magoado
A minha vida renasce
Neste meu canto magoado
Cada um é prò que nasce
E eu nasci para o fado.
Cada um é prò que nasce
E eu nasci para o fado.
----
Portugal país perfeito: a guitarra de Ricardo Rocha em: https://www.youtube.com/watch?v=TkFeHZcE0iE

____
Se não acreditam que é preciso chegar a isto:
https://www.letras.com/fernando-farinha/destino-marcado/
http://www.vagalume.com.br/ricardo-ribeiro/destino-marcado.html
http://www.letras.com.br/#!fernando-farinha/destino-marcado
http://lyricstranslate.com/es/ricardo-ribeiro-destino-marcado-lyrics.html

Sem comentários:

Enviar um comentário

Exprima-se livremente!